Curso on-line sobre uso pedagógico de tecnologias educacionais beneficia mais de 23 mil professores da rede estadual

Um total de 23.619 professores e coordenadores pedagógicos da rede estadual estão sendo beneficiados com o curso on-line “Uso Pedagógico de Tecnologias Educacionais”, promovido pela Secretaria da Educação do Estado, em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA). Também conhecido por CATE 3, o curso faz parte das ações de valorização da carreira do magistério que estão sendo adotadas pelo Governo do Estado e representará, para os concluintes, um ganho médio de 14% em seus vencimentos até maio de 2019, sendo que 6% já foram antecipados. O investimento será em torno de R$ 348 milhões.

Cursista do CATE 3, o professor de Língua Portuguesa e Redação, Paulo Jorge de Jesus, do Colégio Estadual Raphael Serravalle e do Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) em Apoio Educacional e Tecnologia da Informação Isaías Alves (antigo ICEIA), em Salvador, revela que a formação tem sido gratificante, tanto no âmbito pedagógico, como financeiro. “Profissionalmente, é extremamente necessária esta capacitação no tempo em que as tecnologias sociais estão diretamente ligadas ao trabalho do professor, ampliando as possibilidades de conhecimentos para os nossos estudantes. Trabalhar em sala de aula com a disponibilidade de recursos tecnológicos educacionais é um ganho enorme. Ter um ganho salarial, com certeza, é uma motivação a mais, um reconhecimento do nosso trabalho”.

O coordenador de Articulação de Projetos para a Educação da Secretaria da Educação do Estado, Rogério Quintella, explica que o CATE 3 visa a apropriação e efetiva utilização das tecnologias da informação e da comunicação aplicadas ao contexto escolar e ao processo de ensino e aprendizagem nas diversas áreas do conhecimento. Ainda dentro do propósito de fortalecer o eixo pedagógico das escolas e melhorar a qualidade da Educação, completa o gestor, a Secretaria da Educação buscou a parceria com o Google INC, que disponibiliza, gratuitamente, a plataforma Google Apps para a Educação, por meio do projeto e-Nova Educação.

“Os professores cursistas do CATE 3, por exemplo, terão espaço ilimitado e gratuito de armazenamento no e-Nova Educação, que é um projeto desenvolvido pela Secretaria da Educação em parceria com o Google INC, ao qual incluem a formação de professores e o uso de um Ambiente Virtual de Aprendizagem de última geração, visando dinamizar os processos de ensino e aprendizagem e configurar uma rede social de conhecimentos que integra estudantes e professores”, explica Quintella.

Sobre o CAT 3 – Dividida em seis fases, a formação está sendo ofertada na modalidade à distância no ambiente virtual da Universidade Federal da Bahia. Com carga horária de 180 horas, o curso visa atender à demanda de formação continuada dos profissionais da Educação Básica da rede pública de ensino do Estado da Bahia.

Atualmente, os cursistas estão fazendo o primeiro módulo do CATE 3, iniciado em 20 de fevereiro, com finalização neste mês. O segundo módulo será realizado entre setembro e outubro. Dividido por capítulos, o CATE 3 abordou na primeira semana a utilização do Gmail e, na segunda, o uso de formulários. Na terceira semana, o tema foi o Google Sala de Aula e na quarta semana, Google Drive. Nesta quinta semana, os cursistas estão lidando com o Google Apresentações e na sexta e última semana o assunto será planilhas.

Inscrições para o Prêmio Jovem Cientista são divulgadas com visitas nas unidades escolares

premio-jovem-cientista-no-colegio-raphael-serravalle-1 premio-jovem-cientista-no-colegio-raphael-serravalle-3

Com o tema “Inovações para Conservação da Natureza e Transformação Social”, estão abertas, até o dia 31 de julho, as inscrições para a 29ª edição do Prêmio Jovem Cientista, no endereço www.jovemcientista.org.br/inscricao/2018. Para divulgar as inscrições na categoria ‘Ensino Médio’, representantes da Fundação Roberto Marinho, parceira da premiação, visitam escolas para motivar a participação dos estudantes. Na terça-feira (21/3), estiveram no Colégio Estadual Serravalle, na Pituba, conversando com gestores e professores.

O coordenador da Fundação Roberto Marinho, André Luiz Pinto, destacou a função da premiação como motivador à iniciação científica. “A ideia é promover a oportunidade que os alunos desenvolvam projetos e a premiação seja uma porta de visibilidade para que possam dar continuidade ao sonho de seguir na área da ciência. Vale ressaltar que o prêmio será um laptop, do 1º ao 3º lugar, além de uma bolsa de Iniciação Científica Júnior, com vigência de 12 meses. E na categoria ‘Mérito Institucional’, a escola com mais projetos inscritos e aprovados ganham R$ 40 mil para utilizar na infraestrutura da unidade na categoria”, contou.

A coordenadora pedagógica, Silvana, contou sobre a oportunidade dos alunos participarem da premiação. “Com essa visita vamos conversar com professores e alunos sobre como desenvolver trabalhos dentro do tema. Temos muitos estudantes interessados na iniciação científica e a própria unidade incentiva trabalhos nesta área. A premiação é muito importante para motivar os estudantes e dentro de uma análise vamos avaliar e orientar as propostas que serão apresentadas por alunos e orientadores”, disse.

Estudantes da rede estadual participam do Fórum Social Mundial

foto-divulgacao-4 foto-divulgacao-6

O Fórum Social Mundial (FSM), que está sendo realizado em Salvador, está sendo um grande laboratório de estudos para os estudantes da rede estadual de ensino, que estão participando de palestras, de oficinas e visitando diferentes espaços do evento. Nesta sexta-feira (16), os estudantes do Centro de Apoio Pedagógico ao Deficiente Visual (CAP), unidade da rede estadual de ensino, protagonizaram apresentações de música e dança no Campus de Ondina, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), por meio do projeto Batuncaixa, desenvolvido entre o CAP e a Escola de Dança da UFBA. Já os estudantes do Colégio Estadual Carlos Marighella, no bairro do Costa Azul, assistiram a conferências e percorreram as instalações do encontro, tendo contato com experiências culturais, sociais e artísticas.

A estudante do 3º ano do Ensino Médio, Catarina Barbosa, 20, do Carlos Marighella, falou sobre a oportunidade de participar de um evento internacional. “Foi uma experiência muito legal conhecer as atividades do Fórum Social Mundial. Pudemos conhecer o Laboratório de Medicina Veterinária, além do Museu de História Natural. Participamos de alguns debates sobre temas sociais e culturais. Estamos muito agradecidos pela iniciativa dos professores em nos levarem”, ressaltou.

O professor Eduardo Oliveira, da Escola de Dança da UFBA, falou sobre a importância da apresentação do projeto Batuncaixa em uma instância como o Fórum Social Mundial. “A ideia da aula foi apresentar o projeto realizado com os 30 alunos no CAP com a perspectiva de trabalhar as complexidades do corpo, entendendo a convivência com os múltiplos corpos. Por meio de instalações performáticas e a participação do Batuncaixa, abrimos também uma discussão com aqueles que acompanhavam a aula para que interagissem com a gente”, disse.

A estudante de dança Maria de Lourdes, 75 anos, do CAP, falou da experiência de participar do Fórum Social Mundial. “A dança é tudo para mim. É a forma que encontrei para me expressar. Através dela também posso exercitar o corpo com muita alegria e mostrar este trabalho no encontro é muito gratificante”, afirmou. Já o seu colega Albertino Santos, 55, aluno do CAP, e responsável pelo projeto Batuncaixa, falou da participação do grupo musical que utiliza caixas de papelão como instrumento. “Este é um grande reconhecimento por um trabalho que vem trazendo grandes benefícios aos estudantes, como integração e respeito mútuo. Estamos com 14 integrantes e estamos formando uma nova turma com 20. Apresentamos algumas versões de músicas conhecidas, além de canções autorais como ‘Homenagem ao Samba Reggae’ e ‘Sacode Balanço’,” contou.

Secretaria da Educação do Estado convoca professores indígenas aprovados em processo seletivo

1521460764d7c15ddc45d84cf62bf26ee5709818a6

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia convocou, nesta sexta-feira (16), no Diário Oficial, 92 professores indígenas aprovados no Processo Seletivo Simplificado em Regime Especial de Direito Administrativo (REDA), através do Edital N° 005/2017. Os classificados deverão comparecer nas sedes dos Núcleos Territoriais de Educação (NTEs) aos quais pertencem os municípios para os quais foram aprovados, das 8h30 às 17h30, no prazo de dez dias úteis, a partir da data da publicação. Eles serão contratados de forma temporária, em caráter emergencial e atuarão em cidades como Ibotirama, Muquém de São Francisco, Ilhéus, Buerarema, Prado, Banzaê e Glória.

Dentre os documentos necessários para a contratação, destacam-se: originais e cópias do diploma de conclusão de curso, carteira de identidade, CPF, certidão de nascimento ou de casamento, certidão de nascimento, título de eleitor e dos comprovantes dos dois últimos pleitos, PIS/PASEP, carteira de trabalho, bem como declaração de bens, número de conta corrente do Banco do Brasil e demais documentos listados no edital de convocação.

Os candidatos convocados também deverão entregar declaração expedida por líderes da comunidade (Cacique conselheiros da aldeia) onde funciona a unidade escola na qual deverá exercer as suas atividades, comprovada mediante autodeclaração de sua identidade étnica indígena e declaração de reconhecimento desta identidade por parte do grupo de origem, expedida por líderes da comunidade. Além disso, deverão apresentar a comprovação do nível médio com formação em Magistério Indígena ou formação em nível médio na modalidade normal ou equivalente.

Acesse a lista de convocados no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br)

Inep publica panorama do Sistema de Avaliação da Educação Básica na última década

Um relatório com o panorama do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) de 2005 a 2015 acaba de ser publicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Disponibilizado no Portal do Inep, nesta terça-feira, 13 de março, o relatório tem por objetivo apresentar aos gestores educacionais e demais públicos de interesse um panorama da última década.

O texto é dividido em seis capítulos. O primeiro apresenta o marco normativo do Saeb no período, descrevendo as alterações legais ocorridas ao longo dos anos até a configuração atual da avaliação. O segundo, terceiro e quarto versam sobre aspectos metodológicos da avaliação, apresentando as matrizes de referência, os instrumentos aplicados e as escalas de proficiência que subsidiam a interpretação dos resultados. O quinto capítulo aborda o processo de divulgação dos resultados desde o primeiro ano de realização do Saeb até a presente edição.

O sexto capítulo apresenta um panorama das etapas da Educação Básica avaliadas pelo Saeb no Brasil no período considerado, relativo ao quantitativo de escolas, matrículas nos diferentes estratos, docentes e outros indicadores, tais como média de alunos por turma, taxa de aprovação, reprovação e abandono. Apresenta ainda a evolução das médias de proficiência dos estudantes nos testes de desempenho do Saeb entre 2005 e 2015, com recortes por etapa, dependência administrativa, região e unidade da Federação.

A superintendente de Gestão da Informação Educacional do Estado da Bahia, Cristiane Ferreira, falou sobre a importância do documento. “O relatório apresenta um histórico do sistema de avaliação desde a sua criação às alterações legais que sofreu, com o objetivo de aprimorar os dados e fazê-los chegar às escolas e municípios. Muito bom para entendimento da metodologia empregada, dos instrumentos usados e da situação da média de proficiência de cada etapa avaliada, por dependência administrativa do Brasil, por região e unidade da Federação de 2005 a 2015”, comentou.

Saeb – Instituído na década de 1990, ao longo dos mais de 25 anos de existência o Saeb passou por diversos aprimoramentos, adaptações e alterações metodológicas. Em 2005, após uma reestruturação, o Saeb passou a ser composto por dois processos avaliativos distintos, porém complementares: a Avaliação Nacional da Educação Básica (Aneb), que manteve os procedimentos da avaliação amostral, e a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Anresc), mais conhecida como Prova Brasil. Essa ampliou a população alvo da avaliação com a inclusão de um estrato censitário para aplicação de instrumentos em escolas públicas de 5º ano e no 9º ano do Ensino Fundamental. Esse aprimoramento permitiu a geração de resultados de desempenho por escolas e municípios. Outro importante marco foi a instituição da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), em 2012, permitindo coletar informações sobre o nível de alfabetização das crianças ao término do 3º ano do Ensino Fundamental.

Fonte: Inep/MEC

Acesse o Relatório:

http://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/2018/documentos/livro_saeb_2005_2015_completo.pdf

Educadores participam de formação sobre Competências Socioemocionais e desenvolvimento integral

Educadores da rede estadual participam, nesta terça-feira (13), no Instituto Anísio Teixeira (IAT), de uma formação com a temática “Competências Socioemocionais e o desenvolvimento integral na Educação Básica”. A oficina visa prepará-los para o processo de implementação das Competências Socioemocionais (CS) no currículo da Educação Básica, dentro das competências gerais contidas no documento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovado pelo Ministério da Educação.

O superintendente de Políticas para a Educação Básica da Secretaria da Educação do Estado, Ney Campello, falou sobre a importância desta abordagem. “Optamos por chamar competências socioemocionais, que é um assunto ainda pouco sistematizado em nível nacional no âmbito da Educação, levando-se no processo de construção de conhecimentos, o ser humano não se resume à uma dimensão cognitiva, ele é um ser biopsicossocial, de modo que deve ser tratado na sua integralidade”, ressaltou.

O gestor destacou, ainda, que a Base Curricular estabelece diretrizes gerais e que cada sistema estadual precisa, à luz dessas diretrizes, estruturar a forma de implementação na formação de competências que reflitam a realidade local e os sujeitos que são os objetos desse processo formativo, vai convergir para o currículo Bahia. “A BNCC é um compromisso do Estado, que, inclusive, já tomou algumas iniciativas, a exemplo dos Núcleos de Investigação e Autoconhecimento e Consciência e do Programa de Atenção à Saúde do Professor. Pretendemos evoluir na adoção das chamadas práticas meditativas na escola. O Instituto Arte de Viver, inclusive, está discutindo a adoção da meditação no Colégio da Polícia Militar do Lobato”, afirmou.

O professor de História, Márcio Dórea, do Centro Regional de Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (CEMITEC), falou sobre o importante papel da formação: “É um tema de fundamental importância, até porque ele foi tradicionalmente excluído dos nossos saberes. As questões socioemocionais sempre andaram de uma forma muito periférica dentro do conhecimento docente. Então, a minha expectativa é que a partir deste processo de formação, a gente possa, de fato, incluir isso na nossa atividade docente e que seja um conhecimento transformador dentro da nossa atividade de professor”.

Competências socioemocionais – A educadora Anna Penido, presidente do Instituto Inspirare e responsável pela formação, destacou que há alguns anos quem pensa e faz Educação vem se preocupando com a questão de quais as competências que devem ser desenvolvidas nos estudantes, ao longo da Educação Básica, para que eles estejam preparados para a vida no século XXI. “O que já se vem observando é que não adianta simplesmente garantir o desenvolvimento intelectual, o acúmulo de conteúdos e conhecimento se a gente não desenvolve nessas crianças, nesses adolescentes e jovens a capacidade de se relacionar bem consigo, com o outro, com o coletivo; se não desenvolver o senso de responsabilidade, a capacidade de resolver problemas, a flexibilidade, a sensibilidade, a resiliência, a determinação, a empatia, a capacidade de comunicação mais ampla, o que significa falar mas também saber escutar, interpretar e dialogar com o outro”, detalhou.

Anna Penido ressaltou que todos os grandes temas atuais – como tolerância, diversidade e preconceito – têm a ver com a dificuldade das pessoas de lidarem com as competências socioemocionais, daí a importância de que elas sejam incorporadas no Currículo Bahia e nas práticas pedagógicas do professor. “O capítulo introdutório da BNCC já traz uma introdução sobre educação integral, o que eles chamam de dez competências gerais, que dizem respeito à capacidade de valorizar e utilizar o conhecimento; ao pensamento científico, crítico e criativo; ao repertório cultural, à comunicação; à cultura digital; ao trabalho e projeto de vida; à argumentação; ao autoconhecimento e autocuidado; ao relacionamento com o outro, com empatia e colaboração; e à cidadania com responsabilidade para a tomada de decisões com consciência social, ambiental e política”, enumerou.

Oficinas do Centro Juvenil de Ciência e Cultura beneficiam mais de 1.800 estudantes em toda a Bahia

cjcc-barreiras-4 cjcc-itabuna

As aulas das oficinas dos Centros Juvenis de Ciência e Cultura (CJCC) de Barreiras e Itabuna começaram nesta segunda-feira (12). Na terça (13), será a vez do CJCC de Senhor do Bonfim e no dia 26/3, no de Vitória da Conquista. Já no CJCC de Salvador, as oficinas estão funcionando desde o dia 5 deste mês. São mais de 75 oficinas oferecidas por essas unidades ligadas à rede estadual de ensino, beneficiando mais de 1.850 estudantes. As oficinas estão abertas aos estudantes que cursam do 9º ano ao 3º ano do Ensino Médio na rede e quem tiver interesse ainda pode se inscrever para as vagas residuais

A estudante Lúcia Silva, 16, alunos do curso de Agropecuária do Centro Territorial de Educação Profissional (CETEP), está retomando às oficinas criativas do CJCC de Barreiras, das quais já participa há quase dois anos e fala sobre as expectativas de fazer as oficinas MovimentAÇÃO e Empreenda. “Já tinha feito Trilha no Cerrado e Ecociências e foi uma experiência muito interessante. Percebi que passei a ter um melhor rendimento no CETEP. A minha expectativa é agregar novos conhecimentos, a partir das oficinas voltadas à dança e ao empreendedorismo”, relata a aluna.

A vice-diretora do CJCC de Barreiras, Francinea Cajango, revela que cerca de 100 estudantes participaram da aula inaugural, nesta segunda, das 11 oficinas ofertadas pela unidade. Ela explica que foram realizados quatro giros de oficinas para que os estudantes conhecessem o conteúdo. O primeiro giro foi na área de Linguagem, incluindo as oficinas de AudioVizoo; Do ato ao teatro; e Fotografe. No segundo giro, o foco foi a área de Ciências da Natureza e nele os alunos tiveram o primeiro contato com as oficinas Trilhas do Cerrado; Trilha de Espeleológicas; Ecociências; e Ciências em casa. O terceiro giro foi relacionado à Robótica e o quarto giro foi relativo à oficina Empreenda.

A gestora destaca que estão sendo oferecidos 12 oficinas, cujas aulas prosseguem até maio, com turmas funcionando das 8h às 20h30. “A nossa experiência mostra que o trabalho que fazemos no CJCC contribui para que os estudantes consolidem os seus conhecimentos teóricos sistematizados nas suas aulas regulares da rede estadual. Com as oficinas, os estudantes agregam conhecimentos práticos, o que aumenta o seu processo de ensino e aprendizagem. Perceber esse rendimento é muito gratificante”, relata a gestora.

No Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Itabuna, as aulas já começaram para valer, nesta segunda, nas dez oficinas ofertadas: Escola de Ciência, Arte & Magia; Animaps; Literatura EnCena; Ciência Super Investigativa (CSI); Redes Sociais e a Língua Inglesa; Ciência Fantástica; Produção de Vídeos; Reciclagem; English Course; e Robótica. As turmas começam às 8h até às 21h.

O vice-diretor José dos Santos Júnior fala sobre a importância das atividades do CJCC para o processo de ensino e aprendizagem dos estudantes. “Está constatado que os alunos que participam das nossas oficinas têm um ganho no seu rendimento escolar. Eles associam a prática vivida aqui e associam à teoria aprendida nas aulas teóricas dos seus respectivos colégios e isto melhora o seu desempenho escolar”, considera.

No Centro Juvenil de Senhor do Bonfim, a inauguração, que acontece na terça (13), será às 16h, com jogos, dança e brincadeiras lúdicas. Dentre as 11 oficinas ofertadas, as mais procuradas estão sendo as de Robomaker, através do qual, os alunos aprendem a criar robôs utilizando materiais reaproveitados de outros equipamentos eletrônicos; de Juvenil Dance, que visa a discussão sobre estilos musicais e participam de competições de dança; e de Teatro Científico, que foca na representação teatral com elementos da Ciência e experimentos científicos.

Sobre o CJCC – Os Centros Juvenis de Ciência e Cultura (CJCC) são uma iniciativa da Secretaria de Educação do Estado para promover a ampliação da jornada escolar e a diversificação do currículo dos estudantes, que participam das oficinas no turno oposto aos quais estão matriculados. As atividades são feitas de forma lúdica em ambientes interativos. O CJCC conta com cinco unidades no Estado, em Salvador, Senhor do Bonfim, Vitória da Conquista, Barreiras e Itabuna.

Terminam nesta segunda-feira as inscrições para 3.406 vagas de cursos técnicos de nível médio na rede estadual

foto-pronatec

Terminam, nesta segunda-feira (12), as inscrições para o sorteio eletrônico de 3.406 vagas residuais da Educação Profissional e Tecnológica ofertadas pela Secretaria da Educação do Estado, na forma de articulação subsequente ao Ensino Médio (PROSUB), para o ano letivo de 2018. Ao todo são 37 cursos técnicos de nível médio ofertados em Centros Estaduais e Territoriais de Educação Profissional, além de unidade compartilhadas, localizados em 66 municípios. As inscrições são feitas, exclusivamente, no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br), onde também está disponível a oferta por curso e unidades de ensino.

As vagas serão preenchidas mediante sorteio eletrônico que será realizado na quinta-feira (15). Pode se inscrever, o estudante que concluiu o Ensino Médio e suas modalidades, de forma gratuita, seja em estabelecimentos de ensino da Rede Pública de Educação (no âmbito federal, estadual, municipal), que, comprovadamente, cursou o Ensino Médio em instituição filantrópica ou em instituição privada na condição de bolsista integral.

Dentre os cursos estão os técnicos em Segurança do Trabalho, Enfermagem, Teatro, Produção de áudio e vídeo, Alimentos, Informática, Agroecologia, Cozinha, Turismo e Nutrição, Dietética, Zootecnia e Instrumento Musical. Para o ano letivo de 2018, os cursos tiveram a carga horária reduzida, de dois anos para 12 meses ou um ano e meio.

Os candidatos que se inscreveram no primeiro sorteio eletrônico, durante o período de 24 de janeiro a 1º de fevereiro, para as turmas cujo número de inscritos foi inferior ao número de vagas, estão automaticamente classificados e têm assegurado o direito à matrícula, sem necessidade de nova inscrição.

Matrícula – A matrícula para as vagas residuais ocorre na unidade escolar e no turno para qual o aluno foi contemplado, entre os dias 19 e 21 de março, apresentando a seguinte documentação: Original e cópia do Histórico Escolar; original e cópia da Cédula de Identidade; original e cópia do Cadastro de Pessoa Física (CPF); original e cópia legível, com data recente, do comprovante de residência (Água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, Internet, contrato de aluguel, IPTU ou cartão de crédito). As aulas serão iniciadas no dia 2 de abril.

CRONOGRAMA

ATIVIDADE

PERÍODO

Período de inscrições do Processo Seletivo para os cursos Técnicos de Nível Médio

03/03/2018 a 12/03/2018

Resultado

15/03/2018

Matrícula dos candidatos contemplados no sorteio eletrônico

19,20 e 21/03/2018

Início do Ano Letivo

02/04/2018

Cursos de qualificação profissional beneficiam merendeiras escolares

Movidas pelo entusiasmo da inédita oportunidade de se qualificarem para melhor exercer a sua prática profissional, 150 merendeiras escolares participaram da aula inaugural dos cursos de Agente de Ali­men­tação Es­colar e Au­xi­liar de Nu­trição e Di­e­té­tica, na quinta-feira (1º), no auditório do Centro Es­ta­dual de Edu­cação Pro­fis­si­onal (CEEP) Em­pre­ende Bahia, em Sal­vador. A ação, que tem início no dia 9/3, é uma realização da Secretaria da Educação do Estado, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado e beneficia profissionais de das redes públicas estadual e municipal de Salvador e Lauro de Freitas.

Estiveram presentes ao lançamento dos cursos o superintendente de Planejamento Operacional da Rede Escolar, Frederico Gonçalves, representando o secretário Walter Pinheiro, e o secretário de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues. Chamada para compor a mesa do evento, representando as merendeiras, Rosilene Marques, do Colégio Estadual Professora Noêmia Bastos, no bairro de Valéria, em Salvador, falou sobre a motivação que o curso irá proporcionar a todas. “Cozinha é inovação. Preparar alimentos é sinônimo de criatividade, experimentação e cuidado. Este curso chega para nos trazer mais qualidade profissional, o que é uma oportunidade ímpar, já que a nossa classe dificilmente tem essa chance. Só temos a agradecer e aproveitar as aulas”.

As merendeiras, que lotaram o auditório do CEEP, não escondiam a ansiedade para o início do curso que vai acontecer até julho, em encontros quinzenais. Maura Maria Oliveira, 56, cozinheira no Colégio Estadual Germano Machado Neto, no bairro de Marechal Rondon, na capital baiana, era uma delas. “Estou na maior expectativa porque quando nos qualificamos, mais chance temos de crescer profissionalmente. Meus alunos gostam da minha comida, principalmente do feijão tropeiro, mas quero melhorar ainda mais, fazendo para eles um alimento com mais qualidade nutricional”, disse, satisfeita.

O superintendente Frederico Gonçalves falou da importância de qualificar as merendeiras escolares. “Alimentação escolar é tratada pelo secretário Pinheiro como um tema de extrema importância. A ideia do curso, que deverá se espalhar por todo o Estado, é justamente qualificar os profissionais que lidam diretamente com o alimento para agregar mais qualidade ao alimento que chega aos estudantes”. O gestor destacou, ainda, que o material que será utilizado nas aulas (o livro “Mesa Farta no Semiárido – Receitas com produtos da Agricultura Familiar”, da nutricionista Neide Rigo) vai permitir a adequação dos alimentos à realidade de cada região, mantendo os índices nutricionais. “O uso dos itens da Agricultura Familiar é uma forma de respeitar a variação e disponibilidade de produtos de cada Território, com a proposta de cardápios que atendam aos requisitos nutricionais”.

O secretário de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues, ressaltou o ineditismo do curso e a importância da ação. “O governador Rui Costa participou do lançamento do livro da nutricionista Neide Rigo, em Uauá, e entusiasmado com a proposta do trabalho de valorização e aproveitamento dos produtos agrícolas regionais em receitas de alta qualidade nutricional, pediu que cuidássemos de multiplicar a tiragem para que todas as escolas da Bahia pudessem ter um exemplar. O secretário Pinheiro absorve isso, casando com a proposta de uma formação mais ampla, e decide pelo processo de formação das merendeiras. Além de ser um fato inédito a capacitação das merendeiras para a segurança alimentar, temos como destaque a utilização de produtos que trabalham com receitas territorializadas, dentro da estratégia estadual de se utilizar cada vez mais na alimentação escolar os produtos da Agricultura Familiar, proporcionando qualidade nutricional aos estudantes e gerando renda para esses trabalhadores”.

O curso e as receitas – Oferecido na mo­da­li­dade For­mação Ini­cial e Con­ti­nuada (FIC), pelo Pro­grama Na­ci­onal de Acesso ao En­sino Téc­nico e Em­prego (PRO­NATEC), o curso de capacitação para as merendeiras terá 400 horas e será realizado por meio de seis turmas, sendo cinco no CEEP Em­pre­ende Bahia, em Sal­vador, e uma no Centro Ter­ri­to­rial de Edu­cação Pro­fis­si­onal (CETEP) do Baixo Sul, em Gandu. No final do pro­cesso, as cur­sistas con­cluintes serão cer­ti­fi­cadas. As aulas serão ministradas por professores que estão sendo capacitados nesta sexta (2) e no sábado (3), pela nutricionista Neide Rigo. Os cardápios serão montados baseados nos “ingredientes da roça”, como se brinca a nutricionista. O resultado são receitas regionalmente originais, como Ensopado de melancia com leite de coco, Doce de feijão, Salada de umbu com tomates, Sopa de macaxeira e Empanada de banana da terra com recheio de feijão, entre tantas outras peculiaridades.

Estudantes expõem artes visuais em homenagem ao Dia Internacional da Mulher na Assembleia Legislativa da Bahia

23334196_1678970098844940_4626851008930021212_o

‘Imaginário Feminino do Universo Estudantil’. Este é o título da mostra que reunirá 15 obras e duas esculturas de estudantes da rede estadual selecionadas pelo projeto Artes Visuais Estudantis (AVE), de segunda (5) a sexta-feira (9), no saguão Espaço Cultural Josaphat Marinho, na Assembleia Legislativa (ALBA). A Mostra, que será aberta às 9h da segunda, é uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher (8/3) e revela o olhar estudantil para as identidades de gênero e étnico-racial das brasileiras.

De acordo com a coordenadora dos projetos Intersetoriais da Secretaria da Educação do Estado, Nide Nobre, nas obras, os estudantes denunciam várias problemáticas do quotidiano feminino, como a violência contra a mulher e também revelam as belezas e sentimentos femininos como a fé, a esperança e o amor. “Como estaremos na semana de comemoração do Dia Internacional da Mulher, nós buscamos fazer esse recorte e expor obras que trouxessem os olhares dos nossos estudantes sobre o imaginário feminino desde a mãe África à natureza, aos tipos sociais de mulheres e suas ilusões, enfim, para mostrar que, apesar das lutas e persistências, a figura feminina ainda inspira o cuidado, a atenção, a preservação da vida, da memória e tudo isso a partir da perspectiva da arte”, afirmou.

Projeto – O projeto Artes Visuais Estudantis (AVE), desenvolvido pela Secretaria da Educação do Estado nas escolas, tem um caráter educativo, artístico e cultura. Foi concebido a partir de uma perspectiva abrangente, pois envolve os estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio e equivalentes (Educação de Jovens e Adultos – EJA, Ensino Normal e Tecnológico) da rede estadual de educação da Bahia.

Dentre os objetivos, o AVE propõe estimular a criação de obras de artes visuais nos contextos escolares, assim como a valorização das expressões culturais regionais; estimular o processo de embelezamento e estetização da escola e da vida; promover exposições dessas obras de arte estudantis nos contextos escolares; estimular a produção artística, buscando compreender a obra de arte como objeto de ampliação do conhecimento, assim como instrumento de mudanças; além de interagir com outras culturas.

Serviço

O que: Mostra “Imaginário Feminino do Universo Estudantil”

Onde: Assembleia Legislativa da Bahia

Quando: De 05 a 09 de março de 2018

Horas: Das 9h às 17h, de segunda a quinta e na sexta (das 9h às 12h).

Contato: Nide Nobre – 3115-9004