Estudantes da rede estadual participam do Fórum Social Mundial

foto-divulgacao-4 foto-divulgacao-6

O Fórum Social Mundial (FSM), que está sendo realizado em Salvador, está sendo um grande laboratório de estudos para os estudantes da rede estadual de ensino, que estão participando de palestras, de oficinas e visitando diferentes espaços do evento. Nesta sexta-feira (16), os estudantes do Centro de Apoio Pedagógico ao Deficiente Visual (CAP), unidade da rede estadual de ensino, protagonizaram apresentações de música e dança no Campus de Ondina, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), por meio do projeto Batuncaixa, desenvolvido entre o CAP e a Escola de Dança da UFBA. Já os estudantes do Colégio Estadual Carlos Marighella, no bairro do Costa Azul, assistiram a conferências e percorreram as instalações do encontro, tendo contato com experiências culturais, sociais e artísticas.

A estudante do 3º ano do Ensino Médio, Catarina Barbosa, 20, do Carlos Marighella, falou sobre a oportunidade de participar de um evento internacional. “Foi uma experiência muito legal conhecer as atividades do Fórum Social Mundial. Pudemos conhecer o Laboratório de Medicina Veterinária, além do Museu de História Natural. Participamos de alguns debates sobre temas sociais e culturais. Estamos muito agradecidos pela iniciativa dos professores em nos levarem”, ressaltou.

O professor Eduardo Oliveira, da Escola de Dança da UFBA, falou sobre a importância da apresentação do projeto Batuncaixa em uma instância como o Fórum Social Mundial. “A ideia da aula foi apresentar o projeto realizado com os 30 alunos no CAP com a perspectiva de trabalhar as complexidades do corpo, entendendo a convivência com os múltiplos corpos. Por meio de instalações performáticas e a participação do Batuncaixa, abrimos também uma discussão com aqueles que acompanhavam a aula para que interagissem com a gente”, disse.

A estudante de dança Maria de Lourdes, 75 anos, do CAP, falou da experiência de participar do Fórum Social Mundial. “A dança é tudo para mim. É a forma que encontrei para me expressar. Através dela também posso exercitar o corpo com muita alegria e mostrar este trabalho no encontro é muito gratificante”, afirmou. Já o seu colega Albertino Santos, 55, aluno do CAP, e responsável pelo projeto Batuncaixa, falou da participação do grupo musical que utiliza caixas de papelão como instrumento. “Este é um grande reconhecimento por um trabalho que vem trazendo grandes benefícios aos estudantes, como integração e respeito mútuo. Estamos com 14 integrantes e estamos formando uma nova turma com 20. Apresentamos algumas versões de músicas conhecidas, além de canções autorais como ‘Homenagem ao Samba Reggae’ e ‘Sacode Balanço’,” contou.